Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Polícia fecha laboratório que revendia próteses dentárias compradas em cemitérios como se fossem novas - Rádio Tropical 103,7 FM

Fale conosco via Whatsapp: +55 27 995251037

No comando: Sábado Milionário

Das 07:00 às 12:00

No comando: Recordações Tropical

Das 00:00 às 02:00

No comando: Recordação Sertaneja

Das 05:00 às 07:00

No comando: Maratona Tropical

Das 07:00 às 08:00

No comando: Show da Manhã Tropical

Das 08:00 às 10:00

No comando: Maratona Tropical

Das 10:00 às 12:00

No comando: Tropical Jovem Mix 1º Edit

Das 12:00 às 13:00

No comando: Maratona Tropical

Das 13:00 às 14:00

No comando: Sucesso dos Bairros Tropical

Das 14:00 às 16:00

No comando: Só as Melhores

Das 16:00 às 17:00

No comando: Tropical Jovem Mix 2º Edit

Das 17:00 às 19:00

No comando: Funk Das Antigas é só pancadão

Das 18:00 às 19:00

No comando: Galera Tropical

Das 19:00 às 21:00

No comando: A Voz do Brasil

Das 21:00 às 22:00

No comando: Galera Tropical

Das 22:00 às 00:00

Polícia fecha laboratório que revendia próteses dentárias compradas em cemitérios como se fossem novas

A Polícia Civil interditou um laboratório protético que adquiria itens de cemitérios clandestinos e revendia para clínicas odontológicas como se fossem novos. O caso aconteceu no bairro Ricardo Albuquerque, na zona norte do Rio de Janeiro.

A operação foi deflagrada nesta segunda-feira (1º), pela Delegacia Especial de Crime contra o Consumidor (Decon).

A fraude acontecia com o material conhecido coo “roach”, uma espécie de prótese dentária removível. O aparato era comprado pela metade do valor de mercado e era submetido a um processo químico que fazia com que tivesse aparência de novo. Após essa restauração, as próteses eras repassada às clínicas.

Segundo a polícia, foram identificados pelo menos dois cemitérios participavam do esquema: um em São Gonçalo e outro na Baixada Fluminense. A delegacia ainda busca outros endereços.

Duas pessoas foram presas em flagrante por crimes contra o consumidor e contra a saúde pública. Somadas, as penas podem chegar a seis anos de reclusão.

As investigações apontam que a quadrilha agia há pelo menos três anos.

“As investigações continuam. Agora vamos contatar as clínicas odontológicas que adquiriam as pelas. Ao que tudo indica, também eram lesada e não sabiam da procedência do material”, disse o delegado André Luiz de Souza Neves.

Deixe seu comentário: