Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Após protesto de rodoviários, trânsito é parcialmente liberado em Vitória

Um novo protesto do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Espírito Santo (Sindirodoviários) deixa trânsito lento na Avenida Vitória e na região do Centro de Vitória na manhã desta quinta-feira (9). No momento, os manifestantes estão concentrados em frente ao Palácio Anchieta, sede do governo estadual.

De acordo com a Guarda Municipal, o fluxo de trânsito na Avenida Jerônimo Monteiro, no Centro da Capital, segue muito lento e a fila de carros chega até a Praça de Jucutuquara.

A principal reinvindicação da categoria é a volta dos cobradores aos seus postos de trabalho. Eles estão afastados desde maio de 2020 por conta da pandemia do coronavírus.

Atualização: por volta das 10h, o trânsito na Avenida Jerônimo Monteiro foi parcialmente liberado. Os manifestantes seguiam protestando apenas na faixa da direita.

Por conta da lentidão no trânsito, muitos passageiros preferiram descer dos coletivos e seguir a pé para seu destino. Foi o caso do social media Vinicius Moulin, de 34 anos. Ele, que trabalha no Centro de Vitória, ficou mais de uma hora parado no trânsito e gravou um vídeo seguindo a pé para o trabalho (veja acima).

Reinvindicação antiga

No último dia 27 de agosto, a categoria também protestou na região do Centro de Vitória e complicou o trânsito.

Na época, o diretor do Sindirodoviários-ES, Miguel Leite, destacou que o transporte público poderia sofrer um ‘blackout’ a qualquer momento, caso os cobradores não sejam convocados de volta.

“Todos os trabalhadores do transporte coletivo já estão vacinados e a pandemia já está bem controlada, então o governador precisa atender a essa exigência. O cobrador não só cobra a passagem, ele opera o validador, auxilia o motorista em manobras e também auxilia pessoas com deficiência. Não existe só para receber o dinheiro da passagem, mas também para dar auxílio ao motorista e às pessoas mais importantes do coletivo, que são os passageiros”, afirmou.

Deixe seu comentário: